Pezzolano atinge marca histórica no Cruzeiro

No dia 03 de janeiro de 2022, uma folha de papel e uma caneta mudaram o prumo do Cruzeiro para a temporada. Naquela data, Paulo Pezzolano assinava seu contrato para comandar a Raposa e era oficialmente anunciado pelo clube. No dia 04 do dito mês, isto é, a exatos seis meses, o treinador uruguaio tinha o seu primeiro contato com o elenco.

De lá para cá, apenas história. Um nome até então pouco conhecido da grande maioria dos torcedores, Pezzolano logo conquistou a confiança dos cruzeirenses, por um estilo de jogo arrojado que lhe rendeu, por exemplo, a liderança isolada da Série B do Brasileiro, com seis pontos de frente para o segundo colocado e com um jogo a menos.

Pezzolano no roll celeste

Ainda que o tempo seja curto para decretar um nome na história celeste, o trabalho de Pezzolano está entre os mais longos do Cruzeiro em um passado recente. Para se ter uma dimensão do feito, entre os últimos 15 treinadores, o uruguaio é o terceiro a superar a marca de seis meses no comando da equipe. 

Desde o trabalho de Marcelo Oliveira, que conquistou os Campeonatos Brasileiros de 2013 e 2014, apenas Mano Menezes esteve no Cruzeiro por mais de meio ano. Coincidência ou não, Mano também teve uma passagem vitoriosa na Raposa, com os títulos de duas edições da Copa do Brasil.

Um fato curioso é que, durante o período, Enderson Moreira foi quem mais chegou perto de seis meses como treinador do Cruzeiro. Ele ficou cinco meses e 20 dias, entretanto, os quatro primeiros meses foram sem jogos, por conta das restrições impostas para conter a fase pandêmica da Covid-19.

À frente do Cruzeiro, Pezzolano tem um objetivo para a temporada: conquistar o acesso à Série A. Atualmente, a equipe mineira tem um aproveitamento de 82,2% na segunda divisão, uma liderança com margem para o segundo (seis pontos) e, o mais importante, uma grande distância para o quinto colocado (14). Detalhe, tudo isso com um jogo a menos.

- Publicidade -

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.