Nova La Banda? Cruzeiro iniciou o ano com estratégia diferenciada

O Cruzeiro mudou a sua postura no mercado da bola nesta temporada. Claro que isso tem a ver com um maior poder aquisitivo do clube, mas não se limita à questão financeira. De antemão, vale dizer que o time celeste confirmou a chegada de oito reforços até aqui. O último deles, anunciado nesta quinta-feira (8), foi o zagueiro argentino Lucas Villalba. Relembre as contratações:

  • Léo Aragão (Goleiro)
  • Zé Ivaldo (Zagueiro)
  • Lucas Villalba (Zagueiro)
  • Lucas Romero (Volante)
  • José Cifuentes (Volante)
  • Juan Dinenno (Centroavante)
  • Rafa Silva (Atacante)
  • Gabriel Veron (Atacante)

Agora, a diretoria celeste tem como prioridade trazer mais jogadores ofensivos. A busca é por um atacante de beirada. Isso porque Wesley não seguirá no clube em 2024 e, além disso, Gabriel Veron está fora de combate por conta de uma lesão no pé direito. 

Cruzeiro adotou nova estratégia em 2024

O fato é que o Cruzeiro pode formar nesta temporada uma segunda “La Banda” em sua história recente. Afinal de contas, nota-se que quatro dos oito reforços contratados pelo clube são estrangeiros. 

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Há sete anos, o Cabuloso tinha quatro jogadores gringos no plantel: os argenitnos Lucas Romeor, Ariel Cabral e Ramón Abila, além do craque uruguaio Arrascaeta. Juntos, eles conquistaram o título da Copa do Brasil, sob o comando de Mano Menezes. A geração recebeu o apelido de “La Banda”.

No ano seguinte, apenas uma alteração: Ramón Ábila deixou o clube e foi substituído por Hernán Barcos. Mais uma vez deu certo. Em 2018, o Cruzeiro foi novamente campeão da Copa do Brasil. 

O fato é que, desde então, nunca mais o Cabuloso teve em seu elenco uma quantidade expressiva de atletas estrangeiros. Neste ano, são vários: Helibelton Palacios é o remanescente de 2023 e viu chegar à Toca da Raposa os argentinos Lucas Romero, Lucas Villalba, Juan Dinenno e Larcamón. Além deles, há o equatoriano José Cifuentes.

Comentários estão fechados.