Cruzeiro pode montar trio de ataque dos sonhos com Keno, Alexis Sanchez e…

O Cruzeiro está trabalhando nos bastidores para qualificar o elenco de Fernando Seabra sob a gestão de Alexandre Mattos, conta com os aportes financeiros de Pedro Lourenço e pode ter trio de ataque dos sonhos. Apostando alto nas contratações, a Raposa vem sonhando com Keno, do Fluminense, Alexis Sanchez, da Inter de Milão, e Philippe Coutinho, Al-Duhail, para o segundo semestre.

Para montar o ataque sonhado, o Cruzeiro vai precisar mostrar a que veio na gestão de Pedro Lourenço. Brigando com grandes rivais pelas contratações, o Cabuloso terá que abrir bem a carteira, já que Keno é um atacante importante de Fernando Diniz, Sanchez vem da Europa como campeão italiano e Coutinho está em período de negociações com o Vasco.

De acordo com informações do portal GOAL, Coutinho está em negociações com o Vasco e pode ser o reforço do Cruzmaltino. Em estádio avançado, o acordo pode sair do papel nos próximos dias e celeridade vem sendo cobrada pelos cruzeirenses aos diretores.

Keno e Sanchez, por outro lado, são negociações mais tranquilas de serem conduzidas, já que o primeiro não vem sendo titular com Diniz e o outro está livre sem contrato, mas os altos salários podem dificultar o acerto.

Cássio saiu do Corinthians e deu motivos

No Corinthians há 12 anos, Cássio afirmou que é momento de aceitar um novo desafio na carreira. Segundo jogador com mais partidas na história do Corinthians, o jogador negou ter pesado na decisão ter ido para o banco de reservas.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“Acho que foi uma série de situações. Em certo momento, você entende que seu ciclo acabou e estou tranquilo quanto a isso. No começo do ano, tive uma possibilidade de sair e entendi que naquele momento não era a hora. Acho que nesse momento é hora de ter um novo desafio na minha carreira, e sair bem, sabe? Não estou saindo porque fui para o banco, e sim por entender que o ciclo acabou. Eu fui outras vezes para o banco, em 2016, e não saí por isso”, disse Cássio.

Comentários estão fechados.