Situação piora e Cruzeiro pode demorar ainda mais tempo para enfrentar a dupla Gre-Nal

O Brasileirão de 2024 está com partidas adidas para os três clubes do Rio Grande do Sul (Grêmio, Internacional e Juventude) até o dia 27 de maio, por decisão da CBF, por causa das fortes enchentes que estão acontecendo o estado gaúcho e situação pode piorar ainda mais. Com gramados alagados, o Cruzeiro pode demorar ainda mais para enfrentar a dupla Gre-Nal, que são de Porto Alegre, cidade fortemente atingida pelas chuvas.

Em imagens divulgadas nas redes sociais, os gramados da Arena do Grêmio e do estádio Beira-Rio estão impossibilitados de receberem partidas. Completamente destruídos e com possíveis problemas na drenagem, os estádios vão precisar passar por reformas de manutenção e uma retomada terá que ser feito sem pressa e com lentidão.

Além dos estádios, os dois centros de treinamentos estão tomados pelas enchentes, sendo impossível de realizar sessões de trabalho. Gilmar Schafer, que é Professor de Floricultura da Faculdade de Agronomia, Departamento de Horticultura e Silvicultura da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), fez cálculo positivo e estipulou tempo de recuperação do gramado.

“É importante pensar em quanta água tem lá. Uma coisa é estar debaixo de 15 centímetros de água, outra é 60 centímetros. O calor também influencia bastante, porque a temperatura alta, mesmo que debaixo d’água, faz a grama crescer, querer sair da água. Isso acaba sendo um problema porque o excesso de água cria estresse na planta e ela vai sintetizando compostos que podem a matar”, diz Schafer.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Sem previsão de retorno, já que os três clubes gaúchos estão focados no salvamento de vidas e doação de suprimentos, a estimativa de recuperação do gramado após saída da água é de até 35 dias. As equipes estão se negando a jogarem em outros estados.

“A grama dos estádios é extremamente resistente à submersão. Eu busquei uma referência bibliográfica e encontrei um trabalho feito nos Estados Unidos em que testaram 55 dias de submersão, que é um tempo muito grande, e após isso 73% da grama estava viva. Isso é uma ótima notícia. Num cenário bem otimista, após a água baixar, limpar o campo, falamos em uns 15 dias de recuperação. Contando que a grama sobreviva. Numa análise mais conservadora, de 25 a 35 dias.”, completou Schafer.

Comentários estão fechados.