Rafael Cabral evita comparações com ídolo do Cruzeiro

O Cruzeiro segue vivendo ótima fase em 2022. No último domingo a equipe venceu o Sampaio Corrêa e manteve a liderança da Série B. Além disso, a Raposa segue viva na Copa do Brasil e chegou na final do Campeonato Mineiro após 2 anos de fora da decisão.

Herói da classificação do clube na Copa do Brasil, o goleiro Rafael Cabral foi decisivo para a conquista do Cruzeiro. O criticado guarda-redes no início do ano, defendeu 4 penalidades e consagrou a festa da torcida mineira no Independência.

Vivendo grande sequência de 6 jogos sem sofrer gols, o novo goleiro da Raposa, em entrevista concedida ao Bem Amigos, do SporTV, comentou sobre como lidar com as comparações com o goleiro Fábio, ídolo do clube, que deixou a equipe ainda neste ano.

“Eu estou vindo aqui para construir a minha história, fazer meu trabalho. Aquilo que ele [Fábio] conquistou, jogando 17 anos? eu não vou chegar nem perto daquilo que ele viveu. Eu não vejo como uma substituição, eu vejo como uma sucessão. Eu acho que a história dele é insubstituível, assim como ele não apagou a história de outros que passaram no clube, como o Dida, Gomes, Raul Plassmann”.

Carreira de Rafael

Após grande destaque no Santos, com a conquista do tricampeonato paulista, a Copa do Brasil de 2010 e a Libertadores de 2011, Rafael deixou o clube paulista aos 23 anos, como uma grande promessa.

Na Europa, o goleiro não conseguiu repetir o bom desempenho. Em sua primeira equipe, o Napoli, da Itália, Rafael ficou por cinco anos. Mas em 2018, optou por não renovar o contrato, pois desejava ter mais oportunidades como titular.

O goleiro chegou a ter boas atuações pelo clube italiano, mas perdeu espaço após a contratação de maior destaque, o goleiro espanhol Pepe Reina. Ao todo, foram 45 jogos em Nápoles, sendo a grande maioria deles na temporada 2014/2015.

Na temporada de 2018/2019, permaneceu na Itália, desta vez no Sampdoria, em toda sua passagem pela equipe, teve apenas 4 partidas disputadas, e decidiu se transferir para seu atual clube, o Reading.

De acordo com fontes próximas ao jogador, Rafael decidiu jogar no futebol inglês devido ao projeto do clube em busca do acesso à primeira divisão, que soava interessante. Além disso, a qualidade de vida do país para ele e para sua família pesou na decisão.

Em seu primeiro ano no Reading, foi titular e atuou em 46 jogos no ano. A equipe até chegou a brigar ao acesso à Premier League, mas perdeu o fôlego na reta final e terminou na sétima colocação. Na temporada atual, Rafael também começou como titular, jogou seis partidas, mas perdeu a posição após uma lesão na mão.

- Publicidade -

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.