Feitiço contra o feiticeiro: FIFA deverá pagar R$ 206 milhões a brasileiro

Uma decisão proferida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) na última terça-feira, 14 de maio, pode ter entrado para a história. Os ministros determinaram que a FIFA indenize o mineiro Heine Allemagne pela criação do spray utilizado em jogos de futebol. 

Nascido em Ituiutaba, o brasileiro espera receber 40 milhões de dólares, cerca de R$ 207 milhões na atual cotação da moeda. A decisão foi tomada com cinco votos e de forma unânime. 

FIFA terá que pagar uma fortuna a brasileiro

De acordo com os ministros do STJ, a FIFA agiu de má-fé ao impedir o brasileiro de negociar a patente. A indenização deve ser feita à empresa de Heine Allemagne, a Spuni Comércio de Produtos Esportivos.

Vale lembrar que, em 2019, a FIFA pediu à Justiça Brasileira que a patente do spray fosse anulada. Para isso, alegou que o brasileiro não havia “inventado” a ferramenta. Em março deste ano, a entidade sofreu a primeira derrota na Vara Federal. 

Heine, em entrevista recente à Itatiaia, celebrou a decisão do STJ e relembrou quando o spray foi usado pela primeira vez. O fato é que, após 23 anos, o mineiro comemora a vitória na Justiça. 

“Esse projeto começou na Taça BH, em que o América se fez campeão com um gol de falta, aos 45’ do segundo tempo, provando que essa ferramenta poderia ser decisiva e até mesmo decidir uma final de Copa do Mundo”, disse. 

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Pode-se dizer que o spray de fato revolucionou o futebol mundial. Atualmente, a ferramenta é usada nas principais ligas mundo afora, incluindo, a Copa do Mundo. Ainda em tempo, vale dizer que a espuma usada é biodegradável e, com isso, desaparece entre um a dois minutos. 

Comentários estão fechados.