STJ determina prisão imediata de Robinho

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou nesta quinta-feira (21) a prisão imediata do ex-jogador Robinho, que teve passagem entre os anos de 2016 e 2017 pelo Atlético-MG. Condenado a nove anos de prisão por estupro na Itália, Robinho foi julgado pela corte em Brasília na quarta (20) para que o atacante cumpra a pena no Brasil, já que o país não extradita brasileiros.

Em comunicado nesta tarde, o STJ determinou a prisão imediata do ex-jogador de futebol Robinho. O documento ordenando a polícia a cumprir a ordem foi assinada pela ministra Maria Thereza de Assis Moura, presidente do Superior Tribunal. Por 7 votos a 2, a corte autorizou que o ex-jogador cumpra a pena no Brasil.

Sem concordar com a condenação, a defesa de Robinho entrou no Supremo Tribunal Federal (STF) com um pedido de habeas corpus para suspender a ordem de prisão autorizada pelo STJ até que os recursos que ainda podem ser apresentados sejam julgados. O STF ainda não respondeu se concede o pedido dos advogados de Robinho.

Robinho foi condenado a nove anos de prisão pela Justiça da Itália, por um crime de estupro ocorrido em 2013. Na época da decisão em última instância, em janeiro de 2022, Robinho estava no Brasil. Como o país não extradita seus cidadãos, a Itália pediu o cumprimento da pena em território brasileiro, que foi aceita pela corte e deve começar a ser executada de imediato.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

No futebol mineiro, Robinho jogou no Galo em 2016 e 2017, onde foi vice-campeão da Copa do Brasil, perdendo em 16 para o Grêmio.

Comentários estão fechados.