Soltou o verbo! Felipe Melo não gosta mais de apelido que marcou sua carreira

O volante Felipe Melo, 40 anos, vem surpreendendo nas últimas semanas ao soltar o verbo sobre diversos assuntos e fez revelação ao comentar que não gosta mais de apelido que marcou sua carreira. Jogando atualmente pelo Fluminense, o atleta teve passagem pelo Cruzeiro em 2003, conquistando a tríplice coroa ao lado de Alex e comandado por Luxemburgo.

Campeão da Libertadores em 2020, 2021 (Palmeiras) e 2023 (Fluminense), o volante está jogando nos últimos anos da carreira de zagueiro e não quer mais ser taxado como pitbull dentro de campo. Marcado por expulsão na Copa do Mundo de 2010, o jogador disse que não quer mais ser chamado assim e não se diz culpado pela situação no mundial da África.

“Não… Na verdade, o que mais tem hoje é pitbull no futebol. Não quero nem mais ser chamado de pitbull. Qualquer um que dá um carrinho é chamado de pitbull. Antigamente, você tinha pelo menos que conquistar um troféu. Hoje qualquer um é. Podem ter filhotes, mas um grande pitbull tem que deixar um legado.”, disse o jogador, que em breve vai completar 41 anos.

Ainda na entrevista ao ge, Felipe Melo contou que não perdeu uma noite de sono por causa da expulsão em 2010. “O Brasil perdeu porque perdeu, estava perdendo o jogo por 2 a 1. Mas o tempo trouxe muita hipocrisia à tona. Em algumas outras Copas do Mundo, algumas pessoas que tentaram me crucificar (pelo pisão no holandês Robben) falaram “mas se tivesse o Felipe Melo, teria feito falta e não teria saído o gol”. Ah, mas e se o Felipe Melo faz a falta e é expulso (risos)? Como é que faz?”, afirmou.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“Eu nunca deixei de dormir por causa da expulsão. Foi um erro, claro que foi. Mas o Brasil não perdeu por causa da expulsão. Vamos colocar que, em 95% dos gols do Brasil naquela Copa do Mundo, quem começou a jogada foi o Felipe Melo. Inclusive o primeiro gol (contra a Holanda). Só que é o Felipe Melo. Se não fosse Felipe, se fosse um argentino, de repente Redondo Melo, Javier Melo, essa assistência seria mostrada com muito mais frequência, porque é uma das maiores assistências em Copas do Mundo, sem dúvida nenhuma.”, finalizou.

Comentários estão fechados.