Pode isso Arnaldo? Ex-árbitro detona atitude do VAR no jogo do Cruzeiro

A partida de ida das oitavas de final da Copa do Brasil entre Cruzeiro e Fluminense ficou marcada, dentre outras coisas, pela atuação da arbitragem. Ao todo, foram sete cartões amarelos, um vermelho direto, um gol anulado e duas intervenções do VAR. 

Em favor da verdade, apesar dos números exorbitantes, na maior parte das decisões da equipe de arbitragem houve coerência. A exceção, para o ex-árbitro Arnaldo Cezar Coelho, foi em um lance já no final do jogo, que merecia a intervenção do VAR, mas que não aconteceu. 

O que disse Arnaldo?

Antes de polêmicas, deve-se deixar claro que a atuação da equipe de arbitragem não interferiu no resultado do jogo. Mas o ex-comentarista da Globo Arnaldo Cezar Coelho criticou, em uma publicação nas redes sociais, o VAR da partida da última quinta-feira (23). 

A crítica do ex-juiz de final de Copa do Mundo é que o árbitro de vídeo chamou o juiz de campo para a expulsão, diga-se, coerente, do jovem cruzeirense Geovane Jesus. No entanto, ignorou uma entrada dura de André, volante do Fluminense, já nos minutos finais do jogo. 

Aos 47 minutos, André, atleta do time carioca, cometeu uma falta em Adriano e recebeu só o cartão amarelo. Através do seu perfil no Twitter, Arnaldo, disse, em outras palavras, que não houve coerência por parte de André da Silva Bitencourt, responsável pelo VAR da partida. 

“Por que o VAR chamou o árbitro para sugerir a expulsão do Geovane, do Cruzeiro, pelo bico na canela e não usou o mesmo critério no ponta pé do André, do Fluminense, no final?”, escreveu Arnaldo.

Além desse lance citado por Arnaldo Cezar Coelho, a equipe celeste reclamou de outros dois momentos da partida. Ainda no primeiro tempo, aos 11 minutos, o juiz André Luiz de Freitas Castro não deu a lei da vantagem em uma jogada em que Edu sairia cara a cara com Fábio. 

O lance, apesar de polêmico, tem explicação. A bola, claramente, estava entre os defensores do Fluminense. O árbitro apitou a falta anterior na jogada. Os zagueiros se atrapalharam e Edu apareceu com a bola já dentro da área. Tarde demais, o jogo já estava parado. 

O segundo lance foi quando Fábio pegou a bola com a mão fora da área, o juiz não marcou a irregularidade. No entanto, como dito, a atuação da equipe de arbitragem não mudou o destino do jogo. 

- Publicidade -

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.