Paulo Pezzolano abre o jogo e explica expulsão na decisão do Cruzeiro

Ainda no primeiro tempo da partida entre Cruzeiro e Fluminense, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, realizada na noite da última terça-feira (12), no Mineirão, a equipe estrelada viu seu treinador, Pezzolano, ser expulso de campo pelo árbitro Raphael Claus. Após receber o cartão vermelho, o comandante, antes de se retirar, invadiu o gramado da partida em um gesto de ira.

Paulo Pezzolano estava irritado com um suposto pênalti não marcado pelo árbitro, e com um lance no qual a bola teria batido na mão do defensor carioca, também não assinalado. Em campo, o jogo, apesar de leal, estava com ares de uma tensão elevada.

O que disse Claus na súmula?

O árbitro paulista Raphael Claus relatou na súmula do jogo que o uruguaio invadiu o campo, o ofendeu e ainda insinuou que ele estaria `roubando’ para o Tricolor das Laranjeiras. Os dois confrontos, a favor da verdade, ficaram marcados por situações envolvendo a equipe de arbitragem. 

“Expulso por, após receber um cartão amarelo, continuar protestando e gesticulando acintosamente contra as decisões da arbitragem. Informo que, após ser expulso, o mesmo invadiu o campo de jogo, partindo em minha direção dizendo as seguintes palavras ‘seus filhos da p*’, vocês estão roubando, roubaram lá e estão roubando aqui”, relatou Claus.

Claus detalhou ainda que Pezzolano já havia sido advertido verbalmente aos 36 minutos. A expulsão aconteceu aos 40 minutos da primeira etapa. “Esclareço que o treinador expulso foi contido por seus atletas e pelo quarto árbitro da partida”, escreveu.

Em entrevista coletiva, Paulo Pezzolano afirmou que na hora do jogo, ele vive a intensidade com o time, e que, por vezes, pode ter uma atitude impensada. “Eu não faço as coisas pensando, quando estou vivendo o jogo. Tem equipes onde enxergo muita identificação como o treinador. Se você quer um time intenso, é difícil ter um treinador sentado no banco”, disse.

Apesar de ainda acreditar ter razão nas reclamações, Paulo Pezzolano, após o jogo, de acordo com Raphael Claus, teria voltado ao campo para se desculpar pelo ocorrido. “Eu vivo tudo no campo com eles. A raça que eles têm no dia a dia, faz com que eu seja ativo no jogo. Eu jogo com eles”, explicou o treinador celeste. 

- Publicidade -

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.