Larcamón recebe informação privilegiada horas antes da estrela na Sula

O técnico Nico Larcamón está nas horas finais para a estreia do Cruzeiro na Copa Sul-Americana, contra a Universidad Católica, nesta quinta-feira (4), às 21 horas, em Quito, no Equador. Em reta final de preparação, o treinador recebeu informação privilegiada sobre o adversário e vai poder passar aos jogadores que pode interferir diretamente no resultado.

A ser disputada em Quito, a 2.850m acima do nível do mar, a partida contra a Católica pode ser complicada fisicamente para a equipe, mas informações recebidas pelo treinador podem facilidade alguns entendimentos sobre o adversário. Jornalista equatorianos que acompanham a equipe contaram como é o estilo de jogo do time.

De acordo com Daniel Navas, a Universidad Católica quase sempre usa quatro defensores, três meias e três atacantes nas partidas. Com detalhes, destrinchou qual deve ser a escalação do adversário.

“No gol, está Rafael Ramos, goleiro da Seleção Venezuelana. Joga pela (lateral) direita com Gregori Anangonó, enquanto pela (lateral) esquerda tem o jovem Layon Loor. Ela usa dois zagueiros centrais, sendo um estrangeiro, Fausto Grillo, e o outro é Gustavo Vallencilla. No meio, existem volantes como Kevin Minda, que joga à frente dos zagueiros. Um pouco mais à frente, está Facundo Martínez, que é o destaque da equipe. Junto a ele, está Luciano Nieto, que tem muita mobilidade e grande controle de bola”, disse o jornalista.

Ainda na declaração, apontou que os pontos mais fortes da equipe são pelos atacantes de lado. “À frente, estão os elementos mais importantes do esquema. Pela esquerda, o panamenho Ismael Díaz, jogador da Seleção Panamenha e que também tem bom controle de bola, fazendo diagonais sempre buscando a área. Pela direita, tem Kevin Quevedo, que faz exatamente o mesmo do que Díaz. Como centroavante, tem Jairo Cifuente, que tem como vantagem o porte físico. Ele é bem grande”, acrescentou.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Entre os pontos fracos, o jornalista apontou a dificuldade de recompor a marcação em contra-ataques, pontos que pode ser explorado pelo Cruzeiro com a velocidade dos atacantes de lado após passes de Matheus Pereira.

“O principal problema da Universidad Católica é a recomposição na marcação. Um claro exemplo está na partida em que tomou três gols no primeiro tempo, contra o Deportivo Cuenca. O jogo terminou empatado por 3 a 3, porque, as modificações no segundo tempo deram maior resultado dentro de campo”, finalizou.

Comentários estão fechados.