Ídolo do Cruzeiro abre o jogo e revela relação com craque da seleção brasileira: “Chato demais”

O time do Cruzeiro em 2003, campeão da Tríplice Coroa, inevitavelmente faz parte do rol dos grandes elencos brasileiros de todos os tempos. O sucesso daquela equipe pode ser explicado por alguns fatores. Além de ter jogadores notadamente acima da média, a Raposa sabia mesclar a juventude com a experiência. 

Um dos atletas mais veteranos do time era, sem dúvida, o meia Zinho, tetracampeão mundial pela Seleção Brasileira em 1994, onde, curiosamente, jogou com a camisa 9 da amarelinha. No outro extremo, estava o goleiro Gomes, que tinha, à época, apenas 22 anos.

Duelo de gerações? 

O ex-goleiro do Cruzeiro comentou, recentemente, em entrevista ao Superesportes, sobre os bastidores daquele vitorioso time celeste. Gomes relembrou também uma briga que teve com o companheiro de equipe, que, em suas palavras, era ‘chato demais’ dentro de campo. 

“O Zinho era muito chato, cara. Eu estava começando e ele indo para a parte ranzinza do jogador de futebol. Zinho é um cara sensacional, mas é muito chato dentro de campo”, disse em tom de brincadeira e amizade. 

Gomes especificou ainda em quais momentos Zinho reclamava com os jogadores e o porquê. “Nós íamos jogar contra o Athletico Paranaense na Arena da Baixada. Normalmente tinha um rachão um dia antes do jogo. Esse era o pior dia para o Zinho”, iniciou. 

“Jogar ao lado dele era complicado. Se você jogasse a bola para ele, o Zinho reclamava porque você não jogou da forma que ele queria. E se não jogasse, ele reclamava também”, concluiu.

Ao longo de sua carreira, chato que fosse dentro de campo, Zinho coleciona troféus. Além da Copa do Mundo de 1994, o jogador conquistou quatro Campeonatos Brasileiros, três Copas do Brasil, uma Copa Libertadores e uma Copa Mercosul. No Brasil ele passou por Cruzeiro, Grêmio, Palmeiras e Flamengo

- Publicidade -

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.