Ídolo do Atlético recebe acusações graves sobre abandono de criança

Personagem marcante na história do Atlético-MG e um dos nomes mais importantes do clube no título da Copa Libertadores, o atacante Jô está sendo acusado por atraso no pagamento da pensão alimentícia de um dos seus filhos. Samia Luedy, mãe do garoto de apenas 9 anos, entrou em contato com a jornalista Fábia Oliveira, do Metrópoles, para denunciar a situação. 

De acordo com Samia, o ex-jogador do Atlético está sem pagar a pensão há quatro meses. Além disso, a mãe da criança contou que sofre pela ausência de Jô na criação do garoto, que não tem nenhum tipo de contato com o pai. 

“Durante muito tempo, não quis falar sobre isso, mas de uns anos pra cá ele vem atrasando muito, tem mês que não paga o valor total, não fala com o menino. É um descaso total. E nesses últimos quatro meses, ele não pagou nenhum tipo de valor. Ele chegou a me pedir um acordo, mas fomos à audiência, mas ele e a advogada não compareceram”, explicou ela.

Ex-Atlético, Jô pode ser preso a qualquer momento

Sem receber a pensão alimentícia, Samia recorreu à Justiça. De acordo com a publicitária, ela ainda está passando por algumas dificuldades com o menino. “Tive que deixar a casa que tinha alugado para morar com meu filho e vim para a casa dos meus pais, que ainda estão me ajudando com a escola e as coisas dele”, detalhou.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Samia ainda contou que, no primeiro acordo feio com Jô, o atacante se comprometeu a pagar a escola e o plano de saúde do filho. Porém, deixou de fazer isso e, no momento, o garoto está sem cobertura médica há mais de um ano. 

De acordo com a defesa de Samil, os cálculos de pensões atrasadas já chegam a R$ 70 mil, mas R$ 18 mil de escola e multas. Ao todo, o valor chega a quase R$ 90 mil. 

Ainda em tempo, é importante destacar que, após ser acionado pela Justiça por atraso de pensão, Jô terá três dias para quitar o débito. Caso contrário, será recolhido em cárcere privado, como forma de obrigá-lo a pagar a quantia. Não se trata, porém, de uma prisão criminal.

Comentários estão fechados.