Goleiro Bruno traz detalhes sobre loja de açaí e vida como trader

Bruno Fernandes esteve durante muitos anos nos holofotes do futebol brasileiro, afinal de contas, foi um dos grandes goleiros do país e, inclusive, chegou a ter seu nome ventilado para defender a camisa da Seleção Brasileira. No entanto, a carreira do ex-jogador foi interrompida em 2010. 

Naquele ano, Bruno foi condenado pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio e, além disso, pelo sequestro e cárcere privado do filho que teve com a vítima. O goleiro também havia sido condenado por ocultação de cadáver, mas esta pena foi extinta, porque a Justiça entendeu que o crime prescreveu. Ao todo, o ex-jogador recebeu uma pena que superou 20 anos de prisão. 

Bruno revela detalhes sobre loja de açaí

O tempo passou e Bruno conseguiu a progressão da pena para regime semi-aberto e, atualmente, está em liberdade condicional. Desde então, o ex-goleiro tem buscado alternativas para voltar ao mercado de trabalho e, em 2022, abriu uma loja de açaí. A unidade fica localizada em São Paulo da Aldeia, na Região dos Lagos do Rio. 

Em entrevista concedida ao Canal Nação Urubi 81, ainda no ano passado, Bruno detalhou como tomou a decisão de inaugurar o ponto e contou sobre a sua tentativa de ser trader, que não deu certo. 

“Eu abri uma loja, com a ajuda do meu sogro. Mas, toda hora, quando sai algumas notícias na mídia, teve um veículo que chegou a falar que o meu açaí, era o ‘açaí da morte’. Muitas pessoas foram no meu açaí e ninguém morreu”, disse. 

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Em seguida, Bruno Fernandes revelou as dificuldades de enfrentar o mercado financeiro. De acordo com o ex-goleiro, ele não tem mais psicológico para lidar com as oscilações diárias nos investimentos.

“A questão do trader, o mercado financeiro é muito difícil para ter uma sequência. É complicado. Tem dias que está bom, tem dias que está ruim, você precisa estar com tempo e com a cabeça boa para fazer algumas operações. 70%, 80% é psicológico, mas como ficar com o psicológico bom se toda hora eu tenho uma preocupação?”, contou. 

Ainda em tempo, vale lembrar que Bruno chegou a atuar profissionalmente após deixar a prisão. Porém, abandonou as luvas definitivamente em 2021. Antes disso, passou por Boa Esporte, Montes Claros, Poços de Caldas, Rio Branco e Atlético Carioca. 

Comentários estão fechados.