Garantias da Polícia Militar não foram suficientes para evitar confronto entre torcidas de Cruzeiro e Atlético

O final de semana em Minas Gerais ficou manchado pela morte de Lucas Elias Vieira Silva, torcedor do Cruzeiro morto a tiros após um confronto com a torcida do Atlético-MG. O jovem havia completado 28 anos no último dia 16 de fevereiro e trabalhava como motoboy. 

Lucas foi morto depois de ter levado um tiro no tórax. Ele até chegou a ser socorrido com vida e levado ao Hospital Santa Rita, no Jardim Industrial, em Contagem, mas veio a óbito enquanto passava por uma cirurgia. 

Polícia Militar detalha o que aconteceu no confronto entre torcidas de Cruzeiro e Atlético

De acordo com a Política Militar de Minas Gerais, a confusão envolveu cerca de 80 torcedores, que se encontraram próximo ao cruzamento entre as avenidas Tito Fulgência e Tereza Cristina, no Barreira. Vale dizer que, além de Lucas, outros dois torcedores cruzeirenses foram baleados na perna. 

Ainda de acordo com a PM, os disparos foram feitos por integrantes de uma organizada do Atlético. Os suspeitos foram detidos.

Vale lembrar que os jogos de Cruzeiro e Atlético-MG aconteceram no mesmo dia e no mesmo horário em Belo Horizonte. A Raposa enfrentou o Uberlândia, no sábado (2), às 16h30, no Mineirão. O Galo recebeu o Ipatinga na Arena MRV. 

Antes da rodada, havia um grande temor sobre possíveis confrontos entre as organizadas. A Polícia Militar afirmou que faria uma mobilização extra para garantir a segurança dos torcedores. O capitão Santiago destacou que a instituição estava monitorando ambas as organizadas. 

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“Os jogos em si deste sábado não são jogos que têm tanta periculosidade assim, por histórico, mas há sempre a preocupação com as torcidas, sobretudo as organizadas. A Polícia Militar faz o contato antecipado com eles, trabalha itinerários, ponto a ponto, minuto a minuto antes do jogo, para que haja prevenção, sobretudo do encontro dessas torcidas e consequentemente brigas e até mortes”, explicou.

Em contato com o site O Tempo Sport, amigos de Lucas afirmaram que ele era sócio torcedor do Cruzeiro, mas que não integrava nenhuma organizada do time. “Ele apenas estava descendo para o jogo. Não fazia parte de organizada. Era trabalhador, honesto e super tranquilo”, contaram.

Comentários estão fechados.