Especialista revela única semelhança entre as SAFs de Cruzeiro e Atlético

O Cruzeiro oficializou, no início desta semana, a venda de 90% das ações do clube ao empresário Pedro Lourenço, dono da rede Supermercados BH. Em teoria, trata-se de um novo modelo de gestão, diferente do que foi implementado por Ronaldo Nazário na Raposa, mas, para o jornalista Rodrigo Capelo, próximo ao que vem sendo feito por Rubens Menin no Atlético-MG

De acordo com o jornalista, a semelhança se dá em função da forma como Pedro Lourenço atuava nos bastidores do Cruzeiro em gestões antigas, antes da transformação em SAF. Assim como Rubens Menin no Atlético, Pedrinho aportava dinheiro do clube para o pagamento de despesas e contratações

Jornalista comenta sobre SAFs de Cruzeiro e Atlético

Capelo ressaltou que, por muito tempo, Rubens Menin emprestou dinheiro ao Atlético-MG sem nenhuma perspectiva de ser ressarcido. Bom, em tese seria, mas a prática era bem diferente. Pedro Lourenço fazia o mesmo no Cruzeiro.

“Desde o Perrela, passando por Gilvan… quando o Alexandre foi diretor de futebol, já tinha dinheiro do Pedrinho. Durante muitos e muitos anos, quando dirigentes precisavam de dinheiro, eles iam até o Pedrinho e falavam que precisavam pagar folha, contratar jogador”, escreveu. 

Pedro Lourenço, inclusive, em sua entrevista de apresentação, citou que resolveu tornar-se dono do Cruzeiro justamente pelo amor ao clube. No entanto, agora, um eventual prejuízo cairá do Cruzeiro cairá no colo de Pedrinho. 

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“Vai mudar a relação, porque passa a ser dono. Essa mesma mudança houve com o Menin. Ele muda a responsabilidade que passa a ter, porque passa a ser responsável pelo resultado financeiro. A mesma coisa acontece com o Pedro. Se a SAF se endividar além da conta, o problema vai ser do Pedro”, disse. 

Ainda em tempo, vale dizer que o valor exato da negociação entre Pedro Lourenço e Ronaldo Nazário não foi revelado. Porém, especula-se que 90% das ações da SAF do clube tenham custado ao empresário cerca de R$ 600 milhões.

Comentários estão fechados.