Transfer ban: Cruzeiro talvez não consiga registrar os reforços

Com 10 contratações anunciadas para 2022 - e mais duas a anunciar (goleiro Gabriel Brazão e lateral Gabriel Dias), pelo menos - o Cruzeiro elabora um plano para solucionar o impedimento do registro de atletas (transfer ban) vigente no clube desde o fim de junho do ano passado. 

Por meio do executivo de futebol, Pedro Martins, o clube confia num acerto em breve da situação. 

- O transfer ban é uma prioridade. Não tem como não ser. Eu confio muito na equipe que está fazendo esse trabalho. Não tenho dúvida que essa solução será dada nos próximos dias ou horas e que o Cruzeiro vai encontrar a melhor saída para que todos os atletas estejam inscritos e aptos para a disputa do Mineiro. 

As dívidas que impedem o clube de registrar reforços somam, hoje, cerca de R$ 23 milhões. São débitos com o Defensor, do Uruguai, pela contratação de Arrascaeta, e com o Mazatlán, do México, por Riascos. Ambos chegaram à Toca em 2015, na gestão de Gilvan de Pinho Tavares. 

O Cruzeiro não necessariamente precisará desembolsar toda a quantia de imediato. Se as partes chegarem a um acordo de parcelamento das dívidas e apresentarem os mesmos à FIFA, a situação se resolve 

Visando a tentativa de diminuir esses débitos ou de parcelar os mesmos, para não comprometer boa parte do orçamento para a temporada, o Cruzeiro vem há algum tempo negociando com os clubes. A variação cambial, as taxas e os juros fizeram valor subir consideravelmente nos últimos meses. 

O regulamento de competições do Mineiro diz que os nomes dos jogadores e de membros da comissão técnica devem aparecer no Boletim Informativo Diário (BID), da CBF, até um dia antes de cada partida.

Por outro lado, a CBF pede até 48h para publicá-los a partir do envio da documentação. Ou seja: se o Cruzeiro estreia na próxima quarta-feira, o clube tem até sexta (21) para quitar as pendências e ter os atletas e Pezzolano em condições de estrear.

Uma das promessas iniciais de Ronaldo quando da compra da SAF (Sociedade Anônima do Futebol) pelo ex-jogador era a de quitar as dívidas na Fifa mantidas pela Raposa. Segundo informações do Fenômeno, são cerca de R$ 140 milhões os devidos pelos cruzeirenses na entidade.